sexta-feira, 24 de julho de 2015

O Garoto do Fundo


 Você não era nem de longe o mais bonito. Era só mais uma pessoa naquela sala, mas, não sei por que, pra mim era diferente. Talvez pelas suas respostas, pelas histórias que você contava, pelos seus interesses ou por todos esses detalhes que eu reparava em você, assim, sem perceber. Não queria isso, não tinha planejado, muito menos agora que acabei de me recuperar de um tombo. Peguei uma doença por você. Até agora não passa de um resfriado, mas não faço ideia de como vai acabar.
 Desde aquela primeira aula, tudo que eu tinha pensado a respeito de me apaixonar, e toda a tolice que é se apaixonar na época de colegial, passou a não importar pra mim. E o pior? ... O pior é que era segredo – e dessa vez eu não poderia gritar.
...

 Não dorme, não. Fica acordado. Ah, não. Se for pra prestar atenção nela, melhor voltar a dormir. Dorme, garoto. É melhor dormir. O mundo é complicado demais pra ficar acordado, e eu sei que você sabe disso – por isso gosto de você.

 Dorme, que a caminhada é longa e a guerra também. Senta bem lá no fundo, se esconde. Nem você nem eu estamos preparados para acordar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário